quarta-feira, junho 18, 2008

kátharsis

Nódoas de más intenções caem aqui como ali e nem me importo. A mim nada de suja. Mantenho aquele rumo que um dia afirmei que nunca seria o teu. Cuspi-te em desgraças, afastei-te com as palavras que ainda hoje sinto a queimar-me os pulmões. Não por ti, mas pela memória de quem eu fui um dia. Dias e dias volvidos, dores amputadas em mim, voltei-me para a luz que nunca te iluminará. Eu sei que jamais serás assim. Eu sei que jamais viverás em mim.