segunda-feira, junho 30, 2008

Ai, meu querido Portugal

Amanhã será o primeiro dia de férias para muitos portugueses. Por isso, ou talvez não, convido-vos a ver um grande vídeo, desse grande nome da música popular portuguesa, Rui Alves. Os mapas, os sinais de trânsito, a bicicleta que dá boleia ao acordeão, a modelo (?) em destaque. Todos eles motivos para assistir a esta obra de arte do mundo dos videoclips nacionais. "Se Portugal Fosse Uma Mulher", já de seguida.

sexta-feira, junho 27, 2008

Musiquinha de fim-de-semana



Gabriella Cilmi, Sweet About Me

Requisitos mínimos para a escolha de um certo e determinado bairro residencial em detrimento de outro

Na escolha incessante de nova habitação, há outros factores a ter em conta além do valor da renda ou dos números a seguir ao T. A localização do novo espaço é deveras fundamental. Assim, há que considerar intensamente os seguintes três critérios aquando do arrendamento (três por agora...brevemente arranjarei outros tantos, mas agora não tenho muito tempo para escrever, que a minha vida não é isto):

1. todo o bairro deverá ter um maluco. Mas um maluco a sério, não é daqueles que diz "ah e tal eu sou um grand'a maluco". Não. É necessário que cada bairro tenha um indivíduo mentalmente desequilibrado. Eu consegui melhor. Tenho um mesmo na minha rua. Mais informações sobre este sócio do Miguel Bombarda em breve.

2. todo o bairro deverá ter velhas à janela. O dia inteiro, preferencialmente. São elas que sabem quem entra, quem sai, a que horas vai e a que horas vem. São elas que abrem a porta ao carteiro e aos indivíduos da EPAL e da EDP. Eu consegui melhor. Tenho uma mesmo na porta ao lado e é uma querida.

3. todo o bairro deverá ter uma tasca (que é basicamente um café que serve mais vinho do que outro líquido qualquer e que se caracteriza por ter um chão misteriosamente autocolante e com cascas de amendoins aos montes). Será neste espaço que os habitantes do bairro se juntam de quando em vez, ou o dia todo, para trocar impressões em voz bastante alta sobre o estado da Nação ou então sobre a vizinha do 1º Esq do nº7 que recebe visitas sempre depois da meia-noite. Eu consegui melhor. Tenho duas tascas na minha rua. E uma mercearia. E um cemitério.

É por estas e por outras que me sinto a viver em pleno um anúncio do Millennium BCP... ("Aqui vou ser feliiiiiiiiiiz", get it?)

quarta-feira, junho 25, 2008

Cá beijinho!

Imagem DR

Os pandas gigantes da reserva de Wolong, na China, ficaram traumatizados com o sismo que atingiu o país no mês passado. Por isso, e para evitar males maiores nesta espécie ameaçada, os chineses estão a aplicar a "terapêutica do coração amoroso" nos 47 animais da reserva. Beijinhos, abracinhos, miminhos e tudo e tudo para estes grandes fofos esquecerem os abanões de Sichuan. Agrada-me esta prescrição médica. Será que também serve para tratar a preguicite aguda? Hoje dava cá um jeito...

segunda-feira, junho 23, 2008

Ai, meu querido Portugal

O panorama da música popular portuguesa (leia-se manancial de letras deprimentes entoadas por vozes bastante fraquinhas) fascina-me. É um mundo que consegue elevar qualquer espírito descrente, desanimado ou deprimido. Por isso é que, todas as segundas-feiras, para animar bem a malta, teremos neste blogue a rubrica "Ai, meu querido Portugal", com os temas mais emblemáticos do cânone pimba nacional. Para começar em grande, Tony Borges, o artista que abriu as portas do seu coração e de sua casa para gravar o videoclip de um single fantástico dedicado ao seu falecido pai. Profundo e de puxar às lágrimas, apresentamos, de seguida, "Recado para o meu pai".


sexta-feira, junho 20, 2008

Musiquinha de fim-de-semana



Fat Freddy's Drop, "Roady"

Próximo e mais importante objectivo de vida...


...deixar de beber isto.


quinta-feira, junho 19, 2008

Só eu sei porque fico em casa

Há três anos que não vejo um jogo de futebol. Os 90 minutos, entenda-se. Deixei de ter paciência, interesse, enfim, deixei de gostar de estar com atenção a uma bola a rolar na relva.
Já afirmo, há três anos, que não vejo um jogo de bola há três anos e não é que, há três anos, ninguém acredita em mim?! Aliás, a expressão facial dos meus interlocutores alterna, geralmente, entre uma espécie de AVC com uma crise de obstipação. A cara transfigura-se e da boca sai, sem excepções, um "tuuuuuuu?" muito incrédulo. "Sim...há três anos", respondo, qual viciada em recuperação. "'Taaaaaá beeeeem", respondem-me, sem excepção, com aquele desdém de quem não confia na recuperação de um viciado. E depois lá tenho de explicar toda uma tese - pois que tenho uma tese que explica cientificamente a minha mudança de "epá, não posso ir ao enterro da minha tia-avó porque o Sporting joga em casa" para "o Sporting jogou ontem?" - e nem sempre me apetece explicar essa tese, repito, científica.
E agora também não me apetece explicá-la, sinceramente. Fica para outras núpcias. Por agora, serve o desabafo para explicar por que não vi um único jogo da selecção de Scolari neste Europeu - "perderam, não foi?" - e dizer a todos aqueles que ainda se metem comigo para falar de bola...epá, não insistam!

quarta-feira, junho 18, 2008

kátharsis

Nódoas de más intenções caem aqui como ali e nem me importo. A mim nada de suja. Mantenho aquele rumo que um dia afirmei que nunca seria o teu. Cuspi-te em desgraças, afastei-te com as palavras que ainda hoje sinto a queimar-me os pulmões. Não por ti, mas pela memória de quem eu fui um dia. Dias e dias volvidos, dores amputadas em mim, voltei-me para a luz que nunca te iluminará. Eu sei que jamais serás assim. Eu sei que jamais viverás em mim.

quinta-feira, junho 12, 2008

isto é Lisboa

Imagem DR

quarta-feira, junho 11, 2008

pobre pátria podre

a vontade maior é de sair daqui. emigrar. não me convenço com dribles espectaculares nem trivelas de alto nível. eu quero ganhar um ordenado compatível com as minhas habilitações, com a entrega àquilo que faço todos os dias. eu não quero pagar mais de 500 euros por mês para viver numa casinha na minha própria cidade. eu não quero olhar constantemente para os preços dos produtos no supermercado nem fazer contas de cabeça para ver se chega o dinheiro que está na carteira ou até no banco. eu não quero regredir em vez de progredir. eu não me alimento de futebol, nem de fado, nem de festivais de música. eu quero que me atendam rapidamente num hospital. eu quero que a professora de inglês do meu sobrinho não lhe diga que o "x" em inglês não tem o som "z". eu não quero ter um primeiro-ministro que se recusa a ouvir as queixas de quem trabalha 65 horas por semana nem tão pouco um presidente da república amante do saudosismo ditatorial. não quero ficar 56 minutos numa bomba de gasolina e depois pagar 1,64 por litro. não quero ser portuguesa se isso significa ver camionistas e pescadores e professores a fazer greve constantemente. quero dignidade para os meus conterrâneos. hoje não vou ver o jogo da selecção.

segunda-feira, junho 09, 2008

em viagem

luzes encaminhadas por mim
vão por labirintos estreitos
em rebeldes impurezas,
doces tentações estas.
venham desligadas
que o meu corpo não aguenta
mais pesos do que pálpebras.
estão em mim
luzes estas apagadas em ti.

segunda-feira, junho 02, 2008

Verbo favorito

Dar

Um começo de semana



She Wants Revenge, "These Things"