quarta-feira, janeiro 23, 2008

Quasi poético

Meu amor
sozinho
respira ofegante e
leva uma morta mão nos braços.
Rodopiar
mata
sempre que o dia
vive em alta roda.