quinta-feira, maio 31, 2007

Pelas pontas de uns cabelos

Jovens corpos estes, corroídos pelo cansaço e por uma estrela cadente de um olhar que já o é. Os insultos caem como pétalas de uma flor rara. Olhas triste para aquele dia que foi como hoje. Temes que amanhã seja novamente assim.
E recuas. Pensas que todos te ignoram e rejeitas a possibilidade de eles terem sido sempre assim. Com a mudança do tempo, as palavras também mudam. Hoje já não os queres ouvir. Eu também não.