quinta-feira, fevereiro 08, 2007

Tanto, mas tanto

Vou-me rir, mas tanto. Até me doer o palato e os dentes e as gengivas e os lábios de tanta gargalhada. Até sentir a cabeça a latejar de tanto rir. E vou-me rir tanto, mas tanto. A face vai enrijecer e dificilmente voltará ao lugar de tanto puxar o monte de pele para trás de tanto mostrar o riso. Vou-me rir tanto, mas tanto. Sentirão o meu gozo a cuspir-vos na cara cada vez que ouvirem o som agudo a pular da minha boca. E vou-me rir tanto, mas tanto, que nunca esquecerão por que chorei as gargalhadas, expulsas violentamente bem cá de dentro. Vou-me rir tanto, mas tanto, por ter razão, por já saber de cor, por ter um 'coeur' racional, por saber, de antemão, que nunca na vossa estive.