quarta-feira, fevereiro 28, 2007

Breathe in

- "Deixa-me recuperar o fôlego, só por um instante", diz ela, ofegante.
Caminha por estradas de arrependimento, onde se senta bem na esquina de um parapeito de uma janela onde o seu reflexo se esbate cada vez mais.
Quanto tempo demorará a ter luz própria?

domingo, fevereiro 25, 2007

Alea jacta est

quarta-feira, fevereiro 21, 2007

Certa melhoria

Estou a perder defeitos. Ando a largá-los por aí, pelos cantos dos dias que deixas passar por mim, a esvair-me de coisas menos boas, porque preciso. O abandono das sub-qualidades pertence à minha razão, ajudada pelas conversas das noites claras em sono. Vou abandonando preocupações por todos os sítios que nunca visitei. Encontrar-te-ei, talvez, por essas ruelas um tanto escondidas. Eu sei que andas por aí.
Estão mais quentes, aquelas paredes. Também o chão que piso todos os dias e a almofada branca vincada pelas horas pouco dormidas. Até aí larguei um pedaço menos bom, vindo lá do fundo. Pus de lado o estômago e todas as vezes que ele treme por dia. Larguei o sonho e a necessidade de entendimento de tudo, porque preciso.
E é a sorrir que passo hoje por aquela porta. Eu sei que andas por aí.

terça-feira, fevereiro 20, 2007

I'm just asking...

A certain shade of green,
tell me, is that what you need?
All signs around say move ahead.
Could someone please explain to me your ever present
lack of speed?
Are your muscles bound by ropes?
Or do crutches cloud your day?
My sources say the road is clear,
and street signs guide my way.
Are you gonna stand around till 2012 A.D.?
What are you waiting for,
A certain shade of green?
I think I grew a gray watching you procrastinate.
What are you waiting for,
A certain shade of green?
Would a written invitation
signed, "Choose now or lose it all,"
sedate your hesitation?
Or inflame and make you stall?
You've been raised in limitation,
but that glove never fit quite right.
The time has come for hand-me-downs,
choose anew, please evolve,
take flight
What are you waiting for?
A written invitation?
A public declaration?
A private consolation?

A Certain Shade of Green, Incubus

segunda-feira, fevereiro 19, 2007

Lírico



Lover, You Should've Come Over, Jeff Buckley

terça-feira, fevereiro 13, 2007

Catarina, a grande

Conheci-te hoje como há dois anos.
Grande sorriso, olhos maiores ainda e dos teus cabelos negros poder-se-ia cantar um fado. És genuína e quando te contei o meu dia, tu brilhaste pela minha felicidade. Foste um acaso no meu caminho e em ti partilhei horas e cafés e até uma lágrima naquele dia menos bom, lembras-te?
Onde andas tu agora, que há minutos te reencontrei, meio perdida em sonhos de menina, meio preocupada com realidades de mulher.
Se conheço alguém verdadeiro, és tu, Catarina. E pelo abraço na despedida de hoje, sei que a promessa de um reencontro não ficou perdida no vento.
Se conheço alguém doce, és tu, Catarina. E pelo bem que me desejas, sei que mereces mais ainda.
Conheci-te hoje como há dois anos.

Latest musical crush

Where Did My Baby Go?, John Legend

domingo, fevereiro 11, 2007

Gostei de te ouvir cantar isto ao vivo, ó Trent!

You let me violate you.
You let me desecrate you.
You let me penetrate you.
You let me complicate you.
Help me.
I broke apart my insides.
Help me.
I've got no soul to sell.
Help me.
The only thing that works for me.
Help me get away from myself.

I wanna fuck you like an animal.
I wanna feel you from the inside.
I wanna fuck you like an animal.
My whole existence is flawed.
You get me closer to God.
You can have my isolation.
You can have the hate that it brings.
You can have my absence of faith.
You can have my everything.
Help me.
Tear down my reason.
Help me.
It's your sex
I can smell.
Help me.
You make me perfect.
Help me become somebody else.
I wanna fuck you like an animal.
I wanna feel you from the inside.
I wanna fuck you like an animal.
My whole existence is flawed.
You get me closer to God.

Through every forest.
Above the trees.
Within my stomach.
Scraped off my knees.
I drink the honey inside your hive.
You are the reason I stay alive.

Nine Inch Nails, Closer

sexta-feira, fevereiro 09, 2007

quinta-feira, fevereiro 08, 2007

Tanto, mas tanto

Vou-me rir, mas tanto. Até me doer o palato e os dentes e as gengivas e os lábios de tanta gargalhada. Até sentir a cabeça a latejar de tanto rir. E vou-me rir tanto, mas tanto. A face vai enrijecer e dificilmente voltará ao lugar de tanto puxar o monte de pele para trás de tanto mostrar o riso. Vou-me rir tanto, mas tanto. Sentirão o meu gozo a cuspir-vos na cara cada vez que ouvirem o som agudo a pular da minha boca. E vou-me rir tanto, mas tanto, que nunca esquecerão por que chorei as gargalhadas, expulsas violentamente bem cá de dentro. Vou-me rir tanto, mas tanto, por ter razão, por já saber de cor, por ter um 'coeur' racional, por saber, de antemão, que nunca na vossa estive.

quarta-feira, fevereiro 07, 2007

De pedra mármore

Bloqueei as paredes de tule em redor de uma face de espanto. Incrédula, talvez. Pela frieza de um rol quente de risos. Romperam-me as retinas e, cega pelo óbvio, fui contra as estátuas de mármore do mesmo jardim. Todas iguais. Todas vazias de sangue e cheias de resquícios do tempo e dos animais que por ali voam. Todas alinhadas, juntas para parecerem imponentes, escondendo fragilidades que, de tão óbvias, se tornam patéticas. Como pequenos abutres citadinos, vêm beijar-me a mão e depois agarram-me no braço e, já nas minhas costas, segredam ideias pré-planeadas. Quando os ombros se encolhem, já não há nada a fazer. Naquele jardim, os meus pés não passeiam mais. E as estátuas também caem.

terça-feira, fevereiro 06, 2007

A fazer figas

Já realizei o primeiro dos dois grandes desejos que pedi para 2007.
Agora só falta que os velhos que utilizam diariamente o 58 comecem a tomar banho.

domingo, fevereiro 04, 2007

Sofisma

É do avesso que me dou.

sexta-feira, fevereiro 02, 2007

Solta acalmia minha

Os gestos ficaram presos, assim como a língua que se desprende sempre melhor quando tem umas quantas letras por escrever. Mas os olhos, esses, correram tanto e pararam em todo e qualquer ponto do contorno dos teus olhos. É na sinceridade da acalmia recente que reside a verdade do que digo. Se guardares lugar para mim e me sentires na plenitude, verás que nem só de palavras soltas se constroem estes textos. Mas essencialmente de umas mãos curiosas de ti.