domingo, janeiro 07, 2007

A quinta emenda

Desisti agora e tão depressa que os músculos das pernas se atrasaram no compasso. A mudança foi súbita e pensada, como se de paradoxos não fôssemos nós construídos. Parei no tempo porque o tempo assim o quis e vagamente obedeci. Penso que a voz de quem me compensa há mais tempo percebeu antes de mim o que viria depois.
Medir palavras não encurta distâncias.
Tentar adivinhar a mente de outrem não prevê alegrias.
Assim, longe fico, e a simular um sorriso para o exterior, assim me contento.
No fundo, é um virar de costas consentido. Diz-se obrigada por tudo, mas, no fundo, dever-se-ia dizer que não fomos obrigados a nada.
Nem a sentir as respirações mais aceleradas. Nem a elaborar conversas.
O esforço morreu.
Viva o esforço!