sábado, janeiro 13, 2007

A mim ninguém me perguntou nada!

A Direcção-Geral dos Recursos Florestais (DGRF) classificou a azinheira que se situa ao lado da Capelinha das Aparições, no recinto do Santuário de Fátima, de "interesse público".
Mas que tipo de análise fizeram estes tipos? Foi de terço e água benta nas mãos? A justificação é baseada, como faz todo o sentido numa análise empírica como esta, em simbolismo. “Está tradicionalmente associada às aparições de Nossa Senhora de Fátima. Vem citada em muitos documentos primitivos referentes às aparições com o nome de ‘Azinheira Grande’. Os videntes e os peregrinos abrigavam-se à sua sombra para a recitação do rosário, antes das aparições”, lê-se num comunicado da DGRF. Et voilá! Sendo assim, vamos lá adjectivar a árvore de "interessante".
Curiosamente, numa reportagem exibida hoje no Jornal da Noite, na Sic, um peregrino afirmou na sua inquestionável certeza que "parece-me que não foi nesta árvore que Nossa Senhora apareceu, mas sim numa mais ali acima". Interessante...