quarta-feira, dezembro 13, 2006

Coragem matinal

Hoje, na paragem do primeiro autocarro do dia, uma velha lá do bairro que me conhece dos tempos dos dois totós ao lado da cabeça e do tempo das perguntas intermináveis sobre tudo e todos, dos por quês e dos comos e dos para quês, sorriu para mim.
Eu sorri de volta enquanto ela vociferou uma coisa qualquer. Meio ensonada e ensurdecida pelo som dos Muse, pedi para que repetisse.
Ela sorriu novamente e disse: «Estás cada vez mais bonita. Que tenhas muita sorte na tua vida, filha». O embaraço daquela espontaneidade atrapalhou-me o agradecimento, mas as faces coradas não eram apenas do frio e ela soube-o com certeza. E logo hoje que precisava tanto de uma coragem extra…
Obrigada.