domingo, outubro 22, 2006

Foi um touro que quase me matou!

Quatro horas e trinta e sete minutos. Nada mais nada menos.
4h37m a ouvir
fado.
Eu não sou daquelas que nega à partida uma ciência que desconhece. Por isso, lá fui, meio obrigada, meio pela curiosidade. E custou tanto... Aquilo é de levar às lágrimas. A sério, é deprimente, soturno, muito «ai, jesus, o que vai ser da minha vida, que estou tão infeliz e a minha mãezinha morreu num acidente de carro e depois o meu irmão no dia do funeral atirou-se para a cova porque queria ir com ela». Isto é, basicamente, uma noite de fados para quem desconhece. Um dos versos de um dos fados cantados por um dos 354 particpantes da maratona do destino lusitano era «eu nasci amanhã». É bonito, é poético. Pena é que não seja verdade. Se ele tivesse nascido amanhã, eu ontem não o teria ouvido a desafiar...
Enfim, a mim não me apanham novamente numa destas...