segunda-feira, agosto 14, 2006

Um hino ao amor, à função pública e à gastronomia portuguesa



Misógina? Esta letra? Naaaaaaaaaão...

São 7 e meia, amor
Tens de ir trabalhar (ela)
Acordas-me com um beijo
E um sorriso no olhar
E levantas-me da cama
Depois tiras-me o pijama
Faço a barba
E dá na rádio
O Zé Cid a cantar

Apanho o Autocarro
Vou a pensar em ti
Levas os miúdos
Ao jardim infantil

Chego à repartição
Dou um beijo no escrivão
E nem toco a secretária
Que é tão boa!

A pouco e pouco se constrói um grande amor
De coisas tão pequenas e banais
Basta um sorriso
Um simples olhar
Um modo de amar a dois (bis)

Às 5 e meia em ponto
Telefonas-me a dizer:
Não sei viver sem ti amor
Não sei o que fazer (ela)

Faz-me favas com chouriço
O meu prato favorito
Quando chego para jantar
Quase nem acredito! (ele)

Vestiste-te de branco
Uma flor nos cabelos
Os miúdos na cama
E acendeste a fogueira
Vou ficar a vida inteira
A viver dessa maneira

Eu e tu e tu e eu e tu e eu e tu

"A Pouco e Pouco"- José Cid (1979)