sábado, julho 08, 2006

É oficial


Eu odeio a Floribella. Aliás, eu nunca gosto das personagens excessivamente boazinhas. Não são «reais». Woody Allen afirmou um dia que «a vida é uma metáfora da televisão». Como tal, estas personagens super mega lamechas não reportam a realidade. Daí, eu nunca desejar nem ficar feliz que elas acabem por ficar com o príncipe encantado - não se já disse, mas também não gosto de príncipes encantados.
E eu considero-me uma boa pessoa, uma pessoa boa até. Mas o beicinho que a Floribella faz cada vez que vê aquele gajo de cabelo e barba pintados de cor-de-laranja murcho...irrita-me! Na vida real, ela já teria dado um valente par de estalos à noivinha má do Frederico e tê-lo convidado para beber um copo. Ninguém aguenta na vida real o que aquela personagem aguenta. Muito menos falar com uma pedra mágica ou sei lá o que é aquilo que ela tem sempre na mão e que brilha.
E depois ela é pobre e gosta de o ser, fazendo sempre as espantosas co-relações: eu sou pobre, logo sou mais feliz; eu sou pobrezinha, logo sou mais honesta. Isto cria dúvidas durante o processo de formação das jovens mentes que vêem a novela. Futuramente, esta nova geração será um grupo de coitadinhos, que dirá «rifixe» (????) quando está muito contentinha, e que falará com fadas quando a vida der para o torto.
É isto que queremos para as nossas crianças, que elas pensem que a vida é um conto de fadas?? Faça-me um favor: não as deixem ver a Floribella.